terça-feira, 29 de abril de 2014

O que é um planeta?

Por Alexandre Cherman - Astrônomo da Fundação Planetário da Cidade do Rio de Janeiro

Em 2006, a União Astronômica Internacional (IAU, na sigla em inglês) definiu uma série de critérios para classificar um objeto como "planeta". Apesar de já terem se passado quase 10 anos desta decisão, ainda há muita polêmica sobre o assunto.
Eis os critérios:
1. O objeto deve orbitar o Sol;
2. O objeto deve ter atingido o equilíbrio gravitacional hidrostático;
3. O objeto deve ser o corpo dominante em sua região orbital.

O mais simples de todos, o primeiro, para mim, é o mais polêmico. A menção ao Sol, especificamente, impossibilita a existência de planetas fora do nosso Sistema Solar! Creio que o texto deveria se referir a "uma estrela", mas vá lá... os objetos que preencherem os dois outros critérios, mas não o primeiro, não são planetas. São exoplanetas. Questão de semântica…

O segundo critério parece complicado, mas não é. É um critério que tem a ver com o tamanho. Como os objetos celestes estão sujeitos à força de sua própria gravidade, apenas os que tiverem massa suficiente (ou gravidade suficiente), atingirão o tal equilíbrio hidrostático. E o que é isso? Basicamente, ter uma forma próxima a da esfera.

O terceiro é o que acabou causando a reclassificação de Plutão. Ser o corpo dominante de uma região orbital é ter mais massa do que todos os seus vizinhos juntos. A Terra compartilha sua região orbital com a Lua, mas certamente tem mais massa do que ela; isso vale para todos os outros planetas que têm luas. Mas Plutão, por exemplo, orbita em uma região rica em asteroides; somadas as massas destes asteroides, o resultado é maior do que a massa de Plutão. Plutão não é o corpo dominante de sua região. Logo, não é planeta!

Mas a Natureza desafia sempre nossas definições. E eis que agora estão sendo descobertos "planetas" que não orbitam estrela alguma! Pela definição da IAU, certamente não são planetas (nem mesmo exoplanetas!). Mas o que seriam, então? E, mais importante do que inventarmos um nome para classificá-los, como se formaram e como foram parar ali, isolados de tudo?

Perguntas, perguntas, perguntas. É isso o que faz a ciência avançar.

Nenhum comentário: